quinta-feira, janeiro 07, 2016

500 postagens!


Existem blogueiros que devem postar 500 vezes em 6 meses. Ou em até 3 meses. No meu caso eu fiz 500 postagens em praticamente 10 anos (o blog completa uma década no dia 12 de Fevereiro agora).
Escrevo aqui sempre que tenho algo a compartilhar com vocês. Não tenho frequência definida, mas nunca abandonei este espaço. Gosto de escrever. E gosto de ler o que os outros falam também.

Quero, acima de tudo, agradecer:

- A todos que me prestigiaram aqui, neste cantinho meu, visitando, comentando ou compartilhando o que escrevo.
- A todos os que proporcionaram as 82.375 visualizações do blog, ao menos as que tenho registradas.
- Ao povo (provavelmente leitores de língua portuguesa) do Brasil, Estados Unidos, Suécia, Alemanha, Polônia, Rússia, Irã, França, Ucrânia e China, que por alguma razão foram os que mais visitaram este espaço!
- Ao meu pai, à minha mãe e à toda minha família! :<)

 Fico feliz especialmente por aqueles em que minhas postagens tenham afetado de forma positiva, de alguma maneira!

E que venham as próximas 500 postagens!

Te vejo aqui, ali ou acolá!

Um abraço,

Fred Neumann

quinta-feira, dezembro 10, 2015

Sobre política, Nina Simone e a vida


Não sou de esquerda. Não sou de direita. Não sou de centro. Não sou contra a Dilma. Não sou contra o Aécio. Não sou nada satisfeito com o clima de guerra que algumas pessoas fazem por causa de política, especialmente aqueles que se deixam levar pelo calor da emoção, e acabam desperdiçando a preciosidade que é uma amizade. Não sou a favor de música ruim. Sou a favor da Nina Simone. Sou a favor do Brasil.

Sou a favor da vida.

Não sou a favor de deixar corrupto impune. Não gosto do Cunha. Não gosto do Temer. Mas nem por isso sou a favor de tirar ou deixar alguém no poder só por tirar, ou só por deixar. Não sou a favor de nada que não seja merecido. Não sou a favor, isso sim, de paralisar todo o rumo de nosso país por uma pessoa desesperada querer manter seus milhões desviados, enquanto no poder. E não estou falando de ninguém em específico. Já trabalhei para PT, PSDB e PV. Neste caso, lembro mais o Ciro Gomes que já esteve em 6 ou 7 partidos e diz ele, saiu para manter sua integridade. Nossa República está sem a expectativa de um futuro bom, porque a democracia anda muito maltratada. Não sou a favor de político nenhum. Não sou a favor de mais de um mandato seguido para nenhum cargo eletivo.

Sou a favor da vida.

Não sou coxinha. Não sou caviar. Não sou a favor de truculência. Não sou a favor de esconder um erro grave de político, pra manter um acerto. Não quero que ninguém fique no poder por eu ser mais tendencioso a uma linha política ou outra. Não sou a favor de maltratar muçulmanos, porque outros muçulmanos erraram. Pois muitos católicos também já erraram, incluindo até alguns Papas de antigamente e suas Guerras Religiosas, como reconheceu o Papa Bento XVI. Mas se não os perdoássemos, não teríamos hoje o genial Papa Francisco.

Não sou a favor do preconceito. De nenhuma espécie. Não sou a favor do machismo. Não sou a favor do feminismo. Mas também não sou a favor de não igualar os direitos de todos. Não sou a favor de restringir o ir e vir. Não sou a favor de se dedicar tão pouco tempo a escutar os outros. Não sou a favor de perdermos tempo. Não sou a favor de digitalizarmos nossas vidas demais. Não sou a favor de falar mal dos outros, mas se precisar, que seja uma crítica construtiva, na frente da pessoa. Não sou a favor de não dar uma segunda chance. Não sou a favor da morte, mas também não sou a favor de viver em sofrimento.

Afinal, sou a favor da vida. Em sua plenitude. E eu entendo que só temos uma para viver. O resto é apenas, e tão lindamente, uma esperança.

* Texto inspirado na música "Ain't Got No" de Nina Simone. Eu agradeço minha prima Juliana Gontijo, por ter postado esta música um dia, em seu Facebook.
Você pode se inspirar também, assistindo ao vídeo de uma de suas gravações, a meu ver a melhor das gravações dela, desta música, aqui

quinta-feira, outubro 29, 2015

O bacon virou um vilão mesmo?


Hoje eu vou falar sobre bacon. Esta maravilha da face da Terra que depositamos no topo de incríveis hamburgueres feitos com blends de carnes, que derretem na nossa boca de tão gostosos.
Pois o bacon entrou como vilão para a  Organização Mundial de Saúde. Será mesmo?
Antes que você se desespere e ache que nunca mais deverá saborear estas gostosuras, fique tranquilo. Não preciso ser médico ou nutricionista para lhe dizer que alimentar-se bem é fundamental, certo?
Agora vamos aos números reais. E aí você decide o que fazer:

- 34.000 mortes por ano são creditadas ao consumo de carnes processadas, versus 1 milhão de mortes relacionadas ao cigarro.
- Ou seja, você tem 29 vezes mais chances de morrer por fumar cigarros que pelos deliciosos bacons em seu hamburguer (ou junto de seus ovos).
- Para que o bacon tenha o mesmo efeito danoso de cancer que o cigarro, você precisa comer 50 gramas de bacon todos os dias.
- Só que se você juntar todos os males que o cigarro causa em você, aí passa para 158 vezes mais chance de você morrer por fumar cigarros do que por comer bacon. Dados da WHS.
- Mais de 100 milhões de pessoas morreram por causa do tabaco no século 20.
- Se continuar neste ritmo, chegaremos a 1 bilhão de mortes relacionadas a tabaco no século 21.

Agora, isto não significa que você deve deixar de comer seu hamburguer, certo?
Afinal, a carne vermelha é uma das maiores fontes existentes de vitamina B12, ferro, zinco e proteína para seu corpo.
Eu vou continuar comendo um hamburguinho espetacular a cada 10 dias, 15 dias. Com bacon!
Será que meu médico vai questionar isso?



quinta-feira, maio 14, 2015

Aprendendo a torcer pelo Galo





Em momentos como o de hoje, muitos irão aprender a torcer para o Atlético Mineiro. Torcemos contra o vento, mas torcemos também contra as palavras faladas na emoção, sem ponderação. Torcemos pelo Galo nas vitórias e nas derrotas. O Campeonato Brasileiro vem aí e o time precisa de apoio total da Massa. É um título que queremos há 44 anos. Com nosso apoio ele virá. Não temos um elenco composto apenas por Pelés. Mas temos grandes jogadores que nos proporcionaram os maiores títulos de nossa história. Como Luan, Jô, Victor, Ronaldinho Gaúcho, Marques, Guilherme, Cerezo, Kafunga, Dadá Maravilha, Dátolo, Guará, Réver, Mario de Castro, Rei, nosso eterno Rei. O mínimo a se fazer é louvar suas conquistas. E claro, cobrar, como torcedor inteligente, da melhor forma possível: marcando presença na arquibancada e torcendo, levantando a moral de nossos jogadores e gerando tremor em quem vir nos enfrentar. Nossa torcida é famosa no mundo todo, não pelas atitudes de Maria. Largar o time em uma derrota e só voltar depois de 3 boas partidas. Isso não. Jamais. Nossa torcida mais antiga, a que torceu pelo Galo em inúmeros campeonatos perdidos e soube comemorar como ninguém, já sabe o que é torcer pelo Galo. Outros muitos aprenderam hoje. Não aprenderam nas conquistas. Aquilo foi somente a coroação de tantos anos de dedicação. Vaia no estádio é absolutamente inaceitável. Quer ajudar um jogador a se recuperar no elenco? Envie um e-mail a ele, uma mensagem inteligente nas redes sociais, com uma análise realista, mas respeitosa. É a única forma que você mostrará o verdadeiro grandioso torcedor que é, parte integrante da magia da Massa. E claro, compareça ao estádio nas partidas de meio de tabela, contra uma Chapecoense, da mesma forma que comparece depois de vitórias consecutivas. Afinal, elas só chegam com seu apoio fundamental nas derrotas. O grito que empurra o adversário pra fora do estádio e levanta nosso time. Aqui é Galo, sempre, acreditando. E apoiando. De verdade.

quarta-feira, abril 08, 2015

A torcida para Henrique Cunha tornar-se um Top 100!


Lendo sobre a vitória do Henrique Cunha no challenger de Leon/México hoje, me veio na mesma hora um post que fiz anos atrás em um outro blog que atualizava, o Chotensu.
No post, eu contestava a decisão do Henrique, na época um super bem-sucedido juvenil, de ir estudar nos EUA e disputar o circuito universitário norte-americano, ao invés de profissionalizar-se na época.
Você pode acompanhar a polêmica na época através desta reportagem aqui.

Na verdade, sei lá, quero me redimir. Talvez eu expresse assim.
Quem sou eu pra dizer que ele não estava certo?
Lá sou eu seu pai, seu cérebro?
Só porque nunca havia tido, e ainda não houve, um único tenista Top 100 brasileiro que tenha ido para o circuito universitário norte-americano, não me concede a razão em julgar nenhuma decisão.
De fato, ainda hoje, 5 anos depois, acho perigoso seguir este caminho. E daí?

O objetivo deste post é outro.
Quero aqui sim dizer ao Henrique, tendo ele visto ou não o post na época, que estou torcendo por ele e seguindo seus passos.
Minha torcida concentra-se toda nele conseguir ser um Top 100 e mostrar a outros tenistas brasileiros que, caso queiram, porque não irem estudar em uma baita faculdade nos States e ainda assim ter uma carreira no profissional depois?

Vai, Henrique! Você é, neste momento o 271o. no ranking, mas vai construindo cada passo seu de uma forma surpreendentemente sólida. Relembre seus tempos de Queen's e Wimbledon e voe nas quadras!

Rumo ao Top 100!


terça-feira, março 10, 2015

Um diálogo com Juca Kfouri




Consideremos este post um diálogo com Juca Kfouri. Só falta por enquanto as respostas dele, claro, caso ele queira continuar o diálogo, visto que inicialmente apenas comento suas afirmações no post do blog Pragmatismo Político, aqui
Concordo com algumas partes. Discordo de outras.
Vamos ao diálogo ( algo que tem faltado a quem prega o ódio sem pensar mais em nada...):



JUCA: Nós, brasileiros, somos capazes de sonegar meio trilhão de reais de Imposto de Renda só no ano passado.
FRED: Nós não, Juca. Se vc quiser se incluir nessa, fique à vontade.


JUCA: Como somos capazes de vender e comprar DVDs piratas, cuspir no chão, desrespeitar o sinal vermelho, andar pelo acostamento e, ainda por cima, votar no Collor, no Maluf, no Newtão Cardoso, na Roseana, no Marconi Perillo ou no Palocci.
FRED: Nós não, Juca. Se vc votou, o problema é seu. Como eu gostaria de provar a seguinte afirmação: "Newtão roubou o tapete persa gigantesco do Grande Hotel de Araxá. De forma escancarada." Pena que na época não tinha redes sociais, YouTube, etc...

JUCA: O panelaço nas varandas gourmet de domingo não foi contra a corrupção.
FRED: Não tenho varanda gourmet, não sabia do panelaço. Tava comendo um sanduíche na rua. Não ouvi nada. Em Copacabana. Mas mesmo assim, será que não podemos considerar que cada pessoa que fez um barulho em sua panela possa estar insatisfeita com alguma coisa neste país? Não necessariamente tiveram as mesmas intenções ao emitir sons de suas panelas em protesto?

JUCA: Foi contra o incômodo que a elite branca sente ao disputar espaço com esta gente diferenciada que anda frequentando aeroportos, congestionando o trânsito e disputando vaga na universidade.
Elite branca que não se assume como tal, embora seja elite e branca.
Como eu sou.
Elite branca, termo criado pelo conservador Cláudio Lembo, que dela faz parte, não nega, mas enxerga.
FRED: Foi extremamente infeliz aí. Em uma frase, simplesmente negou que qualquer outro tipo de pessoa possa ter feito parte deste panelaço.

JUCA: Como Luís Carlos Bresser Pereira, fundador do PSDB e ex-ministro de FHC, que disse:
‘Um fenômeno novo na realidade brasileira é o ódio político, o espírito golpista dos ricos contra os pobres.
O pacto nacional popular articulado pelo PT desmoronou no governo Dilma e a burguesia voltou a se unificar.
Surgiu um fenômeno nunca visto antes no Brasil, um ódio coletivo da classe alta, dos ricos, a um partido e a um presidente.
Não é preocupação ou medo. É ódio.
FRED: Concordo. E não faço parte deste ódio a um partido ou a um presidente. Tenho nojo da corrupção. E tenho afirmado que acho esse ódio crescente não só uma perda de tempo, mas um gesto de causar danos à própria saúde, um exercício de perder amigos, desnecessário. Porque não nos unimos todos contra a corrupção, e não contra um partido somente?

JUCA: Decorre do fato de se ter, pela primeira vez, um governo de centro-esquerda que se conservou de esquerda, que fez compromissos, mas não se entregou.
Continuou defendendo os pobres contra os ricos.
FRED: Primeiro, Juca: porque separar pobres de ricos? Alguém merece menos os serviços do Governo Federal? E se defendeu os pobres contra os ricos, porque não defende a reforma política? E mais: porque não luta por ela com todo afinco? Porque não luta para acabar com a corrupção?

JUCA: O governo revelou uma preferência forte e clara pelos trabalhadores e pelos pobres.
Nos dois últimos anos da Dilma, a luta de classes voltou com força.
Não por parte dos trabalhadores, mas por parte da burguesia insatisfeita.
FRED: Então, o Lula convocando o exército do MST pra lutar contra o povo que o elegeu...não é uma luta de classes? MST contra O POVO que o elegeu? Se ele, Lula, é quem incita esta luta contra o povo...seria ele então parte da burguesia insatisfeita?

JUCA: Quando os liberais e os ricos perderam a eleição não aceitaram isso e, antidemocraticamente, continuaram de armas em punho.
FRED: É sério, Juca, que vc escreveu isso? Nenhum pobre votou no Aécio? Nenhum rico votou na Dilma? Concordo que existe uma turma do ódio com armas em punho. Não faço parte dela.

JUCA: E de repente, voltávamos ao udenismo e ao golpismo.’
Nada diferente do que pensa o empresário também tucano Ricardo Semler, que ri quando lhe dizem que os escândalos do mensalão e da Petrobras demonstram que jamais se roubou tanto no país.
‘Santa hipocrisia’, disse ele. ‘Já se roubou muito mais, apenas não era publicado, não ia parar nas redes sociais’.
FRED: Vou ter que concordar com você, Juca. As redes sociais estão ajudando e muito a combater a corrupção. Pena que não existiu antes para deter os bandidos de antigamente.


JUCA: Sejamos francos: tão legítimo como protestar contra o governo é a falta de senso do ridículo de quem bate panelas de barriga cheia, mesmo sob o risco de riscar as de teflon, como bem observou o jornalista Leonardo Sakamoto.
Ou a falta de educação, ao chamar uma mulher de ‘vaca’ em quaisquer dias do ano ou no Dia Internacional da Mulher, repetindo a cafajestagem do jogo de abertura da Copa do Mundo.
FRED: Pronto, eis o Juca querendo tirar, meio que subliminarmente a liberdade do brasileiro de protestar, mesmo concordando com a falta de educação que vc mencionou. Não gosta do jeito argentino de ser e de protestar? Eu gosto. E acho que falta demais isso no Brasil.


JUCA: Aliás, como bem lembrou o artista plástico Fábio Tremonte: ‘Nem todo mundo que mora em bairro rico participou do panelaço. Muitos não sabiam onde ficava a cozinha’.
FRED: Não participei. Nem sabia de panelaço. Nem estava em casa. Moro em Copacabana.


JUCA: Já na zona leste, em São Paulo, não houve panelaço, nem se ouviu o pronunciamento da presidenta, porque faltava luz na região, como tem faltado água, graças aos bom serviços da Eletropaulo e da Sabesp.
FRED: Meu protesto no próximo Domingo, 15 de Março, eu dedico aos "bons serviços" da Eletropaulo e da Sabesp também. E de todos os governantes do Brasil que conseguiram transformar o país da maior bacia hidrográfica do mundo em um país com falta de água e luz.

JUCA: Dilma Rousseff, gostemos ou não, foi democraticamente eleita em outubro passado.
FRED: Concordo.

JUCA: Que as vozes de Bresser Pereira e Semler prevaleçam sobre as dos Bolsonaros é o mínimo que se pode esperar de quem queira, verdadeiramente, um país mais justo e fraterno.
E sem corrupção, é claro!”
FRED: Não gosto nem de longe do Bolsonaro. E vejam só. Depois de discordar do senhor na maior parte do texto, termino concordando. Um país mais justo e fraterno. Sem corrupção. E é por isso, pelas reformas e pelo fim da impunidade que irei protestar no Domingo, dia 15 de Março. Como um brasileiro livre que sou.

* Pintura de Arnold Lakhovsky, "The Conversation", provavelmente de 1935.

segunda-feira, março 02, 2015

A lição da torcida mista do Gre-Nal


Ok, sabemos que muitas pessoas nem ligam para futebol, ao contrário de outras muitas que são apaixonadas por este esporte desde que nasceram. Como é o meu caso. Acompanho diariamente e converso muitas vezes dentro de um mesmo dia com meus amigos mais próximos sobre o esporte. E ainda converso com quem nunca vi na vida. Futebol é o idioma universal, eu já disse isso uma vez. Porém, um grande porém na vida dos torcedores do bem, se é que podemos nos rotular assim, sempre foi aquela manchete fatídica aparecendo no final dos jogos, no dia seguinte ou até antes dos jogos, nos avisando que algum torcedor morreu. Que uma família irá ficar marcada para sempre e por qual motivo? Porque o seu filho que se foi queria ter alguns momentos de diversão no dia, talvez para esquecer uma vida tumultuada lá fora? Ou simplesmente queria 2 horas de abstração. Tudo bem, poderia ser um fanático também, que ia em todos os jogos de seu time do coração. Lá isso é motivo de assassinato? O fato é que os dirigentes do futebol têm pelejado com este problema violento há tanto tempo e nunca conseguiram zerar as mortes nos estádios.

A foto que ilustra este post é emblemática. Mostra um casal, composto por um colorado e uma gremista, e ao lado um senhor folclórico, daqueles que sempre fizeram parte dos principais capítulos escritos nos estádios. Esta foto só foi possível graças a uma iniciativa no Rio Grande do Sul de se tentar torcida mista no estádio. Com todos os torcedores juntos e misturados. Mas aí podem se perguntar os mais fanáticos como que fica a magia de se ver uma torcida provocar a outra e gerar aquele espetáculo competitivo para se descobrir qual torcida deu um show maior? Pois quero sugerir, caros mais fanáticos, que peguemos este fanatismo para entender que infelizmente, por enquanto, este espetáculo deve dar vez ao cenário da torcida mista. O nosso país do futebol não precisa no momento de uma foto desta?

Você pode até não concordar comigo, assim como está na falta de concordância entre colorados e gremistas, atleticanos e cruzeirenses, corinthianos e palmeirenses, a magia do futebol: tripudiar, rolar de rir da derrota do rival para um time de menos sucesso, gerar histórias novas para decorar sua vida com momentos inesquecíveis. Isso tudo não só é permitido, como é fundamental ao futebol. Assim como devo dizer que se você não concorda comigo em relação à torcida mista, deve concordar em relação à magia da disputa saudável dentro do estádio pra ver qual torcida proporciona um espetáculo mais bonito, não é? Um espetáculo só dela, goleando a outra em vibração, em cânticos criativos, em levantar seu time quando ele mais precisa?
Pois o que tenho a acrescentar a este debate, no momento, é que o espetáculo da torcida mista, proporcionado pelo Gre-Nal de ontem, foi uma belíssima solução aí escancarada para que não voltemos a ter que ler mais as notícias de mortes envolvidas a um momento tão sublime de celebração à vida. E que, pelo menos para o momento, se você é realmente fã de se ver uma disputa saudável entre as torcidas para ver qual se destaca mais, se você quer ficar somente entre os torcedores do seu time para levantá-lo para mais uma vitória, eu te diria que é momento de louvar a torcida mista. De agradecer pelo que ela pode trazer ao futebol e entender que ela pode ser a única salvação para que você possa um dia torcer para seu time em um canto do estádio reservado somente à torcida do seu time. Se é que isto ainda será necessário, tamanha a beleza do espetáculo de ontem da torcida mista. Que a única coisa que destruiu mesmo foram os arrombos de machismo exacerbado, de mostrar que "sou mais bruto". Isso pode ficar destruído e guardado em um lugar inacessível mesmo de nossas memórias. É para o bem de todos. Entenda, torcedor. Pois pode ter certeza que as milhares de famílias brasileiras, que não podem sequer ver o cenário de um estádio de futebol, de seu entorno e de suas torcidas brutais, pois perderam seus filhos em tempos anteriores, estas famílias certamente não só entenderam. Elas também podem ter visto, com lágrimas nos olhos, que aquela vontade desde então retida pela tristeza em seus corações, de voltar a gostar da magia do futebol, pode ter sido escancarada de novo, pela sensacional idéia que foi, este espetáculo da torcida mista.